Artigos, Técnicas

A arte de fazer uma seg perfeita

O Seg deve ficar atento ao escalador o tempo todo!

Durante uma de nossas viagens para a serra do Cipó ouvimos relatos de 3 pessoas na mesma trip, no mesmo período de 15 dias que ao tomarem uma vaca durante uma escalada, ficaram com o pé machucado, o que lhes custou um ou dois dias de escalada, ou até mesmo a viagem. O último caso foi mais específico, não tinha muito o que ser feito pois o escalador não estava com a cabeça boa, aparentemente saiu um pouco da linha da via e acabou caindo de mau jeito, pendulando e infelizmente havia um platô embaixo. Apesar de 3 dias depois já estar conseguindo escalar, resolveu terminar a viagem mais cedo para aproveitar a carona de volta pra casa. Mas nos outros dois casos, pelos relatos ficou claro que as lesões poderiam ter sido evitadas se tivessem recebido uma seg mais suave.

Em qualquer falésia em que vamos escalar, é comum vermos gente fazendo (presepada) seg estática, que é aquela em que o seg vê o escalador caindo, recolhe corda, dá três passos pra trás e ainda dobra os joelhos. Nesse caso, não só o escalador terá muito menos corda para amortecer sua queda, como provavelmente será puxado na direção da parede, contra ela. A intenção é boa, pois muitos de nós escaladores temos medo de cair, e quando estamos em um lance com uma queda iminente, pedimos para que o seg recolha corda de modo que caiamos menos. Porém, como asseguradores experientes, tem certas vontades do escalador que não podemos fazer, ou escolhas que não podemos lhes dar.

A regra número 1 do bom assegurador é: Garantir que o escalador chegue ao chão são e salvo. A regra número dois seria trabalhar o psicológico do escalador lhe passando segurança, o que é uma atividade complexa pois envolve muitos fatores, inclusive antes do escalador tirar o pé do chão. Isso envolve fazer o partner check antes de começar a escalar para que o escalador não tenha “receios” de que está em segurança enquanto escala.  Também passa segurança ao escalador alimentar corda sem “desbicar” ou seja, não travar a corda no momento em que o escalador irá costurar, o quê demonstra que você sabe o que está fazendo, o que fica claro também – e principalmente – quando demonstra que sabe usar o freio da maneira correta (sem contar que desbicar o escalador nesse momento pode provocar a queda do mesmo com corda na mão, o que provoca uma queda muito maior, podendo leva-lo a bater no chão ou num platô dependendo da situação – ou no mínimo deixá-lo puto). Não adianta também você fazer uma seg perfeita, dinâmica, se não passa confiança para o escalador, que não gosta por exemplo de entrar num move de crux quando há na mão do seg lá embaixo uma barriga de corda que encosta no chão (por mais seguro que seja). É preciso sagacidade do seg nesse caso para compensar a barriga e manter a segurança do escalador mas ao mesmo tempo trabalhar seu psicológico na hora da escalada – o que pode ser feito verbalmente dando a vibe (gritando kamon, vai lá, to contigo, etc..) como também com a atitude de deixar a corda da maneira como ele espera.

Na hora de clipar a segunda o Seg deve ficar bem esperto: dar o mínimo de corda possível desde que não “desbique” o escalador, e se ele hesitar ou cair, deverá recolher corda o mais rápido possível pois com esse tanto de corda na mão é chão na certa. O ideal seria o escalador clipar com a costura na altura da cintura. (mas ninguém faz isso).

 

Vamos passar então algumas dicas que podem torná-lo o “Grigri de Ouro” da galera, aquele que todos gostam da Seg e se sentem bem e confortáveis quando estiver assegurando, e que normalmente estará na seg d@s s@us amig@s quando el@s mandarem suas cadenas mais extremas. Algum tempo atrás saiu na revista americana Rock & Ice um artigo citando 8 dicas para você dar uma seg suave (confira a original aqui). Fiz algumas adaptações livres usando aquele artigo como base, tendo em vista nossa realidade. Não se esqueça que essas dicas são prioritariamente para escalada esportiva:

1) Avalie os Riscos: A Seg dinâmica é boa principalmente quando o escalador está bem alto e com proteções confiáveis. Um de seus segredos é que ela aumenta o tamanho da queda. Portanto se o escalador corre o risco de bater em algum platô, bico ou até mesmo o chão, esqueça a seg dinâmica: Diminua a queda em vez de aumentá-la.

O Seg atento deu apenas o mínimo necessário para o Escalador clipar

 

Se o escalador estiver na primeira ou segunda chapa de uma via cuja base não é tão plana e potencialmente perigosa, faça de tudo para diminuir o tanto que o escalador pode cair. Isso significa ficar perto da parede praticamente embaixo da primeira chapa para não ser puxado pra frente na hora da queda, e não ter nenhuma barriga de corda. Um passo pode aumentar o tamanho da queda em até 90cm, o que cá entre nós pode ser a diferença entre mais uma entre tantas quedas corriqueiras ou aquela que vai te deixar de molho por algum tempo.

2) Sem barriga. (tanto sua quanto da corda) Não dê mais corda além do que o escalador precisa pois isso só aumenta a força de impacto. Uma queda maior não é uma seg dinâmica. É o que você faz para desacelerar o escalador em queda livre que dinamiza a queda.

A Seg atenta ao escalador: não vacila nem deixa nenhum mm de corda além do necessário.

3) Esteja preparado para se movimentar. Fique em pé (tente não se inclinar para trás) e prepare-se para ser puxado pra cima e pra frente na direção da parede. Siga o fluxo e deixe a corda te levar: levante os pés e deixe que eles te amorteçam e protejam quando você entrar em contato com a rocha.

4) Dobre os joelhos. O Bom seg deve estar atento o tempo todo e antecipar o momento de uma eventual queda. Por isso, nesse momento você deve dobrar os joelhos e enquanto o escalador cai, você os estica. É preciso ficar em pé Enquanto a força (da queda do escalador através da corda) é aplicada em você. Ficar em pé depois que o impacto for sentido e a corda tiver esticado será tarde demais.

5) Pulinho. Não necessariamente uma opção quando o seg é mais leve que o escalador. O escalador deve dar um pulinho na hora que a corda começa a esticar. Sincronia é a palavra chave nesse caso. Espere pra pular até que a corda comece a esticar. Se você pular antes o escalador só irá cair mais, e se pular depois terá perdido a preciosa chance de amortecer mais a queda do escalador.

6) Proteja o Seg. Caso o escalador seja muito pesado, é recomendado que ele desclipe a primeira chapa ou já saia com a segunda clipado para que no momento da queda, o seg não encoste na primeira costura, o que eventualmente pode fazer com que um Grigri deixe de fazer sua função de auxiliar a mão a conter a queda. Uma alternativa é o Seg usar o MegaJul para conter  a queda, que acaba sendo mais dinâmico como o bom e velho Atc mas que possui o sistema de frenagem assistida similar ao Grigri mas que não tem esse problema.

7) Mantenha uma leve curvinha/barriguinha na corda. Nada muito exagerado, pois, como dito anteriormente, mais corda é mais queda e não menos impacto. Depois que o escalador tiver passado a terceira ou quarta chapa, essa pequena barriguinha pode funcionar como “Buffer” na hora de dar corda pro escalador costurar, evitando travamentos caso o escalador tenha o braço muito comprido e puxe muita corda pra costurar de uma vez. Avalie também que, caso haja um platô ou saliência próximo à última proteção, talvez seja melhor mesmo deixa-lo cair 2 ou 3m a mais para não bater o pé no platô ou virar de cabeça pra baixo.

A esta altura, o Seg pode permitir uma leve barriga de corda para evitar que o escalador bata na reentrância/platô abaixo da última proteção, aterrisando pouco mais abaixo.

8) Não seja muquirana e compre uma corda nova. Cordas novas são muito mais dinâmicas e absorvem muito melhor impactos que os antigos bacalhaus que a galera anda usando por aí. Sem contar que já vem com novas tecnologias no trançado e tratamento de suas fibras, o que oferece mais segurança e garantem a elasticidade por mais tempo. A Quero Escalar importa diretamente da Edelrid sem distribuidores e intermediários e por isso pode oferecer os melhores preços em uma das melhores marcas de corda do mundo, que é a Edelrid.

9) Seg de Corpo. Quando o escalador sai do chão, sua seg já está valendo. Portanto, antes dele costurar a primeira, faça a seg de corpo, para que, caso ele caia antes de clipar você oriente sua queda com as duas mãos sobre os quadris para que el@ caia em pé sobre uma superfície plana. Tem gente que não gosta de clipstick e prefere a emoção de “solar” até 2,5m de altura, então, você precisa saber garantir a segurança dessa pessoa! Muitas vezes só de você estar lá já é a diferença entre conseguir ou não conseguir: lembre-se que a seg tem um efeito psicológico importantíssimo durante a escalada!

Lisete fazendo a seg de corpo pra Bia antes de clipar a primeira.

10) Saiba dar seg. Deixado por último, na verdade este ítem talvez devesse ser o primeiro por ser o mais importante. Ninguém coloca água no tanque de gasolina do carro só porquê é mais barato, então também não deve utilizar um freio da maneira que bem entende. Todo freio vem com manual de instruções indicando o que deve e principalmente, o QUÊ NÃO SE DEVE fazer. Esses manuais não substituem um curso tampouco treinamento específico, portanto, utilize corretamente seu freio, sua cadeirinha e diminua ao máximo os riscos. Acomodar-se e “fingir que dá Seg” como você bem entende é um egoísmo tremendo pois na hora que você deixar seu parceiro cair no chão e se machucar, é todo o grupo de escaladores que está no local que terá que se mobilizar para prestar os primeiros socorros e chamar ajuda, eventualmente até removendo o acidentado até o hospital, tudo graças ao belezão que não quis aprender a utilizar o freio corretamente.

Só existe um jeito de dar seg, o recomendado pelo fabricante do seu freio. Se o método “sempre fiz assim e nunca deu nada” for diferente, está errado!

Nunca é demais ressaltar que o que segura a queda do escalador é o Seg, não o equipamento, que só ajuda.

 

A Seg dinâmica é excelente, mas é bom também o escalador não sabotar o seg entrando em pânico por medo, ficar pedindo pra retesar toda hora nem desescalar e pegar na costura pra não cair. Aí não tem seg que salve! É melhor escalar tranquilo e se você está com tanto medo assim, ou escolha um seg firmeza, ou ensine-@ a dar seg devidamente. E claro, recomendo que você trabalhe esse medo inconsciente de cair através do método “Clipa e Cai” que está no blog do Genja dividido em 5 capítulos.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.