Artigos, Relatos

Sobre uma trip de escalada, um filho de seis anos e as aventuras vividas

Arthur mandando um pé alto!

Arthur mandando um pé alto!

Para todas as mulheres, escaladoras ou não, mães ou não, e para todos os homens que junto dessas mulheres optarem por uma vida sem hipocrisia é que me dirijo nas palavras compartilhadas a seguir.

Não, a maternidade não vem fácil para todas as mulheres, como não deve vir fácil a paternidade para todos os homens. Sim, ela é repleta de alegrias e de uma compreensão divina sobre o amor. Mas não, ela não é romantizada como vimos na TV e vem com trabalho, muito trabalho.

 A maternidade, assim como a escalada, e por que não a própria vida, são feitas de escolhas. Escolhas em todos momentos, todos os moves, escolhas corajosas. Coragem de quem ao saber onde se quer chegar, quem se quer criar, confia e segura no abaulado como se fosse a melhor agarra do mundo, que desapega e toca pra cima. Coragem de quem ao errar e cair decide começar de novo.

E assim, com essa coragem de quem sabe que na infância está a melhor possibilidade de trazer seu filho para perto, de mostrar que o mundo é diverso e amplo é que, não sem medo ou sem ressalvas, decidimos traze-lo nessa trip para o Festival de Arcos.

Recebendo a Vibe antes de Escalar, tradição do São Carlos Pression Team! (e olho no olho!)

Recebendo a Vibe antes de Escalar, tradição do São Carlos Pression Team! (e olho no olho!)

 

Digo agora decidimos, no plural, por que ninguém escala sozinho, assim como não se vive sozinho e não se cria uma criança sozinha.  Foi com a escolha também corajosa dos que estão comigo, namorado, amigas e amigos  é que levamos Arthur para Arcos, para esse lugar tão querido, democrático até, cheio de vias incríveis para todos os gostos e todos os níveis.

Nós testamos e deu certo, é possível fazer a trilha para o segundo e para o terceiro andar com criança e em segurança, é possível escalar em todos os setores, da toca dos gatos ao vale das sombras, do camping antigo ao terceiro andar em companhia de uma criança. Sem diminuir a coragem que o Arthur precisou, sem diminuir a disposição que ele teve ao escolher também estar conosco ali. 

Para todas as mães escaladoras, eu digo que é possível ser mãe e escalar (ao contrário do que ouvimos por ai, ao contrário do que esperam de nós por aí). A todos os homens, eu digo que é possível escalar e compartilhar, dividir as responsabilidades que uma criança traz e ainda assim se divertir. A única demanda para essa aventura dar certo, da aventura de criar uma criança, a aventura de leva-lo para escalar, é estar cercado por pessoas dispostas a se aventurar com você.

Recebendo agradecimento pelo super poder enviado pra Isa escalar

Recebendo agradecimento pelo super poder enviado pra Isa escalar

Postagens relacionadas

0 pensamentos sobre “Sobre uma trip de escalada, um filho de seis anos e as aventuras vividas

  1. Araci Marqueti disse:

    Esse é o meu Rei lindo amo…….!!#

  2. Rose Mello Cassinelli disse:

    E avó orgulhosa e com admiração sem medida pela filha que ao se tornar mãe se empoderou muito, mas muito mais!
    Parabéns Marina! A vida é feita de escolhas e obstáculos e ainda assim é divertida, promissora e maravilhosa! Como você meu grande amor❤️❤️❤️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.